• Tha Cordeiro

Primeiras coisas primeiro



12 anos de carreira e meu primeiro blog. É engraçado (por falta de expressão melhor), desde a escola ouço que escrevo bem e realmente gosto da coisa, mas achava que, nesse universo de textão e opiniões da internet, não haveria o que acrescentar. Logo eu, que assisto vídeo de maquiagem no youtube e nem tenho apreço pela coisa, só porque gosto do jeito da moça falar - essas incoerências inerentes ao ser humano. Fosse pelo barulho demais (me volto pra dentro no caos e muitas vezes gosto mais de ouvir do que falar), pela insegurança (aquela velha história do "quem sou eu na fila do pão"), ou (provavelmente) a junção de ambos, demorei um tempão para entender que não compartilhar podia era ser egoísta e sabotador, então cá estou.


Isto posto (rs), bora me apresentar. Thais Cordeiro, 29 quase 30 anos, curiosa de nascença que focou seu olhar para a moda. Ah, essa mesma, a famigerada moda. Que liberta e aprisiona, que é plural e individualista, complexa por essência, um termo que a gente usa para falar do vestir dos povos em seu tempo. Foi basicamente por isso que ela me conquistou, o porquê que a gente usa o que usa, mas também como é que o que a gente usa é feito. Foi natural que, depois de entender sobre a roupa em si, trabalhando em desenvolvimento de produto, muito chão de fábrica (nada do glamour dos editorias, já adianto), fosse me interessar também pela consultoria de estilo, quando isso aqui ainda era mato, lá em 2011, 2012.


De lá pra cá foram um tanto de experiências, nas duas frentes. E, vejam só, sempre tive consciência do quanto as ferramentas da consultoria de estilo me ajudaram no desenvolvimento de produtos, mas não do contrário. Foi preciso alguém de fora me falar, num momento em que estava disposta a escutar (brigada Gábi!). E é pra isso que tô aqui, pra mostrar que é possível (importante, eu diria) aliar os conhecimentos técnicos de moda à consultoria de estilo. Porque compreendi que reconhecer os processos produtivos por trás desse invólucro do ser humano, a roupa, pode ser um caminho de maior apropriação na construção do estilo. A ideia é conversarmos sobre boas escolhas e sustentabilidade possível, sem perfeccionismos, testando, trocando e ajustando a rota - que o trajeto já faz parte do destino. Quem vem?



54 visualizações2 comentários
caminhos possíveis, ASSINE, É GRATUITO